Bem vindo ao meu universo! Neste blog você encontrará textos de uma garota de 21 anos, Ana Teresa Araújo Viana. Alguns textos são reflexões sobre diversos assuntos, outros são apenas o resultado de alguma madrugada inspiradora. Sem mais delongas, Deixa a Alma Respirar!







domingo, 25 de abril de 2010

Amizade!




Tem coisa mais bonita que amizade? Eu sinceramente acredito que não. É algo que nos move, que nos guia, que nos ilumina, que nos dá forças pra continuar. É ela que enxuga as lágrimas provocadas pelo amor, é ela quem ameniza a dor nas horas difíceis, é dela que esperamos uma palavra de força, um elogio, um sorriso, ou até mesmo uma crítica.


Existem coisas que só a amizade faz, existem coisas que só a amizade pode fazer. A amizade deveria ser considerada a oitava maravilha do mundo. Nada como uma noite com os amigos, nada como ver seus sorrisos, ouvir seus risos, olhar dentro dos seus olhos, saber que ali tem gente como você, que te entende, que te conhece, que te ama. De verdade. É incrível a diferença entre andar sozinho e andar com um amigo. Não é a toa que fazemos bobagens, rimos alto, jogamos tanta conversa fora, falamos tanta coisa nada a ver, passamos horas no telefone, quando estamos junto de nossos amigos. Com eles temos confiança, vamos aonde não iríamos sozinhos, fazemos coisas que não faríamos sozinhos. Afinal, com eles a vida fica diferente. Fica como deveria ser. Sempre.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Nada como o tempo...

Nada como o tempo em nossas vidas... Não quero com essa afirmação dizer que "o tempo cura qualquer ferida." Todo mundo sabe que não é bem assim. Mas, quer saber? Se o tempo não cura feridas, pelo menos diminui a dor. Diminui a dor, a mágoa, o ódio, o medo... O tempo nos faz aprender com nossas próprias experiências, erros, acertos, frustrações. O tempo nos ensina tudo o que precisamos realmente saber. Com o tempo aprendemos que depois de uma tempestade, o céu fica ainda mais azul; que para fazer uma planta crescer saudável, é preciso podá-la sempre; que vamos sobreviver, mesmo quando nos sentimos vazios e sós; que nunca haverá um pesadelo tão terrível que não termine ao despertar; que não há cansaço tão profundo que resista a uma boa noite de sono, assim como não há situações que o tempo não encaminhe.
Quem sabe um dia a gente acorde, e veja que tudo está no lugar?
Quem sabe um dia a gente acorde, e veja que tudo sempre esteve no lugar certo, onde realmente deveria estar?

sábado, 17 de abril de 2010

Hoje.

Ser melhor hoje do que fui ontem é um desafio. Mas eu quero tentar. Sempre. Acho que quando alguém desiste de ser melhor, de aprender cada dia mais, desiste de viver. Afinal, a vida não é nada mais do que aprendizado constante, diário. Por mais difícil que pareça...
- Hoje eu quero tratar melhor as pessoas;
- Hoje eu quero me dedicar mais ao meu trabalho;
- Hoje eu quero fazer as coisas bem-feitas;
- Hoje eu quero dar atenção a todos que precisarem de mim;
- Hoje eu quero ter tempo para tudo que for importante;
- Hoje eu quero ter tempo também para TODOS que são importantes para mim;
- Hoje eu quero dormir com a sensação de dever cumprido;
- Hoje eu quero ouvir as pessoas;
- Hoje eu quero ajudá-las no que for preciso;
- Hoje eu quero fazer alguém se sentir importante;
- Hoje eu quero lutar por aquilo em que acredito;
- Hoje eu quero não ser indiferente ao sofrimento do próximo;
- Hoje eu quero viver da melhor maneira possível;
- Hoje eu quero encontrar soluções para meus problemas;
- Hoje eu quero ser melhor do que fui ontem!

E que Deus me ajude. E que Deus nos ajude.

terça-feira, 13 de abril de 2010

Em algum lugar.

Enquanto isso, em algum lugar...
- Uma criança nasce;
- Alguém morre;
- Um adolescente ama platonicamente;
- Um louco pensa loucamente;
- Uma menina ouve Taylor Swift;
- Um casal vai ao cinema;
- Uma outra menina chora de amor;
- E outra chora de fome;
- Alguém conversa no msn;
- Alguém planta flores num jardim distante;
- Alguém escreve uma poesia;
- Alguém prende a respiração;
- Alguém desiste da vida;
- Alguém aprende a vivê-la.


Mundo pequeno, não ?!

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Legal mesmo seria se tudo se mantivesse sempre intacto... os sentimentos, as emoções, a vontade de viver, a coragem diante da vida. Tudo. De maneira que a gente nunca se acostumasse, nunca se entediasse. Jamais. Mas é esse o desafio de cada um de nós, não é? Viver cada dia como se fosse o único, o último, o primeiro. Como se só tivéssemos hoje para ser felizes, para fazer os outros felizes, para dar o nosso melhor, para fazer diferente, para fazer a diferença. Assim, é impossível se entediar. É impossível ser pessimista. E também se torna impossível não contagiar as pessoas ao nosso redor com a nossa alegria de viver. Quando a deprê bate, quando o mundo parece preto e branco, sem graça, eu fecho os meus olhos, e, depois de alguns segundos, os abro novamente, mas tentando enxergar tudo diferente, de uma maneira nova e divertida. Como se fosse a primeira vez que meus olhos se abrissem para esse mundo. Às vezes funciona. Às vezes não.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Super-heróis

Costumamos pensar que super-heróis não existem, que são frutos de uma imaginação fértil de algum autor.
Pois quero dizer que estamos todos muitíssimo enganados. Como podem não existir super-heróis?
Todos os dias, encontramos pela rua pessoas aparentemente normais, mas que são, no seu íntimo, grandes heróis, capazes de realizar as maiores façanhas.
Se não existem super-heróis, o que dizer da mulher analfabeta, mãe solteira, que sustenta sozinha seus quatro filhos, com um salário minúsculo? O que falar sobre seu cansaço, e sobre sua persistência, sobre sua força, e sua coragem?
E vão dizer que nunca notaram o menino pobre, de pés descalços, que, enfrentando a fome e o desespero, vai à escola assimilar um conhecimento distante? Nunca notaram sua garra, seu esforço, sua vontade de vencer?
E a respeito da mulher rica, belíssima, com tudo à sua disposição, que ousa enxergar além do seu próprio umbigo, que se atreve a ver a realidade, que trabalha a favor dos oprimidos? Falar o que a respeito de seu desprendimento, de sua solidariedade, de seu olhar fraterno?
O trabalhor comum, que acorda às cinco da matina, trabalha sob o sol e sob a chuva, que muitas vezes não dorme nem cinco horas por noite, que cuida da mãe doente, do filho excepcional, faz milagres com o orçamento limitado e, mesmo assim, não sonega os seus impostos? Será que não deve ser considerado um super-herói, por aguentar firme as cobranças, as preocupações do dia-a-dia, por resistir, por continuar a viver?
Por onde quer que eu olhe, eu vejo pessoas maravilhosas. Gente comum, que ri, que chora, que ama, que erra, que perdoa, que trabalha, que ajuda, que se sensibiliza, que se assume, que se importa, que se aprimora, que cai, que levanta, que vence, que perde, que vive. Que entra na dança da vida, dá uns tropeções, mas não perde o ritmo.
Diante de tudo isso, eu afirmo: acreditem em super-heróis. Porque eles existem.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Solidão

Há dias tão solitários! Nos sentimos como se nada pudesse preencher o vazio que carregamos dentro do peito. Como se ninguém pudesse nos entender, como se nem a companhia de milhões de pessoas pudesse afastar de nós a terrível sensação de estarmos sós. Inevitavelmente sós.

"De repente você acorda diferente, com um frio no peito, sem saber o porquê. E se lança no meio da multidão, que tem mais de um milhão, só não tem quem você quer ver, só não tem quem você quer ter!"

Sentimos falta de alguém, de alguma coisa... uma falta tão grande, uma necessidade tão profunda. Mas não sei do que sinto falta, de quem sinto falta. Simplesmente não sei.

Talvez de algo que ainda não conheça, de alguém que ainda não tenha encontrado...

A única coisa que sei é que me sinto diferente, incompleta... tá faltando algo pra preencher esse lugar vago. Não tenho certeza do que seja, não tenho certeza de nada.

Será que as almas sentem o aproximar daqueles que mudarão suas vidas? Será que é um presságio de que algo vai mudar, muito em breve?

"É quando você percebe... que o frio é a solidão. E a só a presença do amor, pode aquecer seu coração!"

Incrível como existe gente que adora nos colocar pra baixo. Que adora nos subestimar. O mais engraçado em tudo isso é que elas se acham tão superiores!
Essas pessoas podem ser tudo: mais ricas, mais inteligentes, mais importantes, mais divertidas, mais populares, etc. Mas nunca serão superiores.
Até porque, se existisse alguém superior nesse mundo, jamais seria alguém egoísta, maldoso e mesquinho, que só sabe criticar, mas nunca faz nada melhor.
Acho que a gente só deve criticar uma pessoa quando conseguir superá-la naquilo que julgamos que ela não faz bem. Aliás, se usarmos nossa inteligência, não iremos criticar ninguém. Afinal, somos todos falíveis e suscetíveis a erros. Cada um tem uma potencialidade diferente. Ninguém é igual a ninguém; portanto é insano tentar comparar uns aos outros.
Acho que cada um deveria cuidar da sua própria vida, desenvolver todo seu potencial, procurar a sua felicidade, sem tentar puxar o tapete dos outros. Vamos viver, e deixar viver.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Saudade já não sei se é a palavra certa para usar...















Saudade. Palavra bonita, acho que soa bem. Difícil é imaginar como essa palavra revoluciona a vida da gente.
Parando pra pensar, a gente tem sempre saudade. De alguém, de alguma coisa. De uma época da nossa vida, de uma comida, de um cheiro, um gosto, de um sentimento, de uma vontade, de uma motivação... enfim, a gente às vezes tem saudade de tanta coisa e nem percebe! Ou tem saudades de coisas que a gente nem sabe o que são. Saudade.
Começa de um jeito manso, até gostoso de sentir. Uma pontadinha no peito quando se lembra daquilo. Aquela sensação tão boa, ficar lembrando, curtindo o que passou. Sorrindo sem motivo. Com cara de bobo. Distraído. Pensante. Depois esse sentimento vai crescendo, crescendo... toma proporções gigantescas, esmaga tudo que tem pelo caminho, causa uma dor indescritível. A gente começa a sofrer por saudade. E não é fácil não, viu. Porque muitas vezes a saudade não pode ser morta, não podemos acabar com ela, porque o objeto (sujeito?) de nossa saudade não pode ser revivido. Passado, enterrado, acabado. Sem jeito. Nem com choro. Nem com muitas lágrimas. Mas o fato é que a saudade dói muito, machuca a gente, mas vai passando... Será que é quem ela passa, ou somos nós que nos acostumamos tanto com a dor que ela causa que ficamos insensíveis a ela com o passar do tempo?
Não sei. Mas o fato é que a dor vai cedendo. A nossa alma volta a respirar. E quer saber? Tem que ser assim, mesmo. A vida continua, e estão a nossa volta um milhão de novas experiências. É só viver. E deixar viver.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Somos resultado de uma mistura. Primeiro de genes, depois de situações, emoções, momentos. De pessoas também, pois "as pessoas que encontramos não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós". Somos um turbilhão, diferentes e ao mesmo tempo muito iguais. Somos sonhos, ideias e ideais. Somos opostos, somos contrários, matéria em constante mutação. Somos experiências, somos aprendizados, somos também erros, e acertos. Somos tudo, somos nada. Somos atitudes, somos omissão. Somos sonhos, vontades, necessidades, caminhar. Somos continuação. Somos dúvidas, somos respostas. Somos muito, e mesmo assim não sabemos o que de fato somos. E o que de fato queremos.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Confusão Interna


Alguém aí já se sentiu em plena metamorfose, uma contradição ambulante?
Acontece. Afinal não é fácil organizar todas as nossas facetas dentro de uma personalidade só. Isso dá trabalho! E acho que deve levar muito tempo mesmo para alguém conseguir se organizar por dentro. Aliás, talvez uma vida inteira não seja suficiente para nos descobrirmos cem por cento. Acho que é por isso que não consigo preencher o "Quem sou Eu" do orkut.
E não foi tão perfeito como ela sonhara. Mas, quem se importa? A vida é mesmo assim, e nunca se sabe o que se pode esperar dela. Afinal, não me conheço a mim mesma, que dirá o mundo e a própria vida. Segredo: Às vezes a vida nos engana. Outro segredo: às vezes a gente gosta de ser enganado.

...

Eu queria poder corresponder a todas as expectativas, eu queria poder fazer todo mundo feliz. Acho que dois terços da população mundial queria ter esse poder, né ? Mas o fato é que felizmente ou infelizmente, isso não é possível. Não é justo conosco mesmos fingir sentimentos, ideias, vontades. O problema é que, no caminho para a nossa felicidade, encontramos também a felicidade dos outros. E então? Não posso chutar minha própria felicidade para escanteio, ao mesmo tempo que também não posso fazer isso com a felicidade alheia. É complicado, mas acho que o segredo é manter o equilíbrio, o respeito a si e ao próximo. Ter cuidado com o sentimento das outras pessoas, sem abrir mão de nossa opinião, de nossos próprios sentimentos. Acho que assim, mesmo que não consigamos deixar todo mundo feliz, pelo menos vamos ter a consciência tranquila.

O Mistério da Morte

Tava aqui pensando em como a vida é passageira! Uma hora estamos aqui, em outra talvez não estejamos mais. Isso me parece triste, e um tanto confuso. Mas fazer o quê, é a realidade, e não podemos transformá-la, pelo menos não ainda. Pior ainda é quando vemos alguém tão novo partir... tanta vida pela frente, tantos projetos, tantos planos! Difícil de aceitar, de se conformar, se é que alguém se conforma com a morte. Eu acho que não. A dor de perder alguém amado é enorme, e parece te consumir por dentro. Às vezes perdemos até a vontade de viver. Nos perguntamos:
- Viver pelo quê?
Eu também não sei. Gostaria de ter uma resposta pronta, aliás, gostaria de ter todas as respostas. Mas assim a vida perderia a graça! Mesmo que não pareça, o bom da vida é justamente essa incerteza, esse risco constante. Qualquer momento pode ser o último, e é por isso que nós, mortais, temos momentos inesquecíveis. Porque sabemos que um dia iremos partir.
Essa é nossa única certeza. E é o que une o universo. Os animais, as estrelas, as plantas. Tudo um dia acaba, tudo um dia morre. Não é um privilégio, nem um sacrifício humano. É algo necessário, que não podemos escolher. É da nossa natureza.
Mas saber disso não diminui a dor, eu sei. E também queria saber como curá-la. Mas não sei. Infelizmente, receitas prontas servem para bolo, para macarrão, mas não para a vida. As nossas respostas, temos nós mesmos que encontrá-las. Sozinhos, sim, mas não desamparados. E para isso, precisamos viver, por mais que doa, por mais que pareça impossível. Precisamos seguir em frente. Pelos que ainda restam, pelos que precisam de nós, de nossa presença, por tudo que ainda podemos realizar, por tantos que ainda podemos ajudar, por quem já se foi e acreditou em nós. Seguir. Há tanto ainda a alcançar, a descobrir, a trilhar. Mesmo que uns pereçam no caminho, mesmo que lágrimas irriguem o chão que pisamos. Continuar. Recomeçar.

Encante-se pela vida.

Quanto mais a gente vive, mais tem o que aprender. Essa é a maior verdade. E quanto mais a gente aprende, mais tem o que aprender. É um ciclo, nunca tem um fim. Todos os dias percebemos coisas novas, descobrimos uma nova parte do mundo. Às vezes a gente nem se dá conta disso, mas o fato é que crescemos um pouquinho a cada dia. Acho que chamam isso de amadurecer, não é?
O mais divertido de tudo isso, é pensar que cada descoberta, cada amanhecer e cada por do sol é único! Jamais veremos o mesmo sorriso, o mesmo rosto, o mesmo céu. Alguma coisinha sempre será diferente, sempre. Aquela história do "nada do que foi será, de novo, do jeito que já foi um dia". Não somos os mesmos também. Mudamos a cada segundo que passa, por isso acho tão importante colher cada momento. Tudo é tão único, tão ímpar! Ver a vida sob essa ótica é no mínimo encantador. Torna a nossa rotina mais leve, mais suportável, e, porque não, mais 'vivível'.
Seguindo esse raciocínio, nunca nos entediaremos diante da vida. Mesmo que tudo pareça igual, saberemos que, no fundo, está tudo muito diferente. E acharemos sempre algo novo, e talvez, algo que nos faça mais feliz, pelo menos por um segundo. Deixe-se encantar pela vida, pela simplicidade magnífica da existência. Deixa a Alma Respirar.

domingo, 4 de abril de 2010

Deixa a Alma Respirar

Depois de um milhão de tentativas frustradas, consegui criar esse blog. Ok, eu exagerei, não foram um milhão, mas foi quase isso mesmo. Depois fui pensar num título, e logo surgiu Deixa a Alma Respirar. Não sei porque, mas acho que as pessoas (eu me incluo nessa) vivem tão preocupadas em "parecer"! Parecer importante, parecer culta, parecer educada, parecer atraente, parecer sexy, parecer descolada, parecer na moda, parecer não sei mais o quê. E muitas vezes não somos aquilo que queremos parecer, né? Acaba ficando difícil querer parecer o que não se é, o que não se sente. E nessa luta diária pra "parecer" e "aparecer", a nossa alma acaba contendo a respiração, acaba tentando não pulsar. E vai ficando tão dolorida... tão esquecida. Esquecemos que nossa alma é nossa maior identidade. É o que vai dentro de nós, o que nos diferencia. A nossa alma é nossa essência. E nessa de reprimir nossa alma, de sufocar sua respiração, acabamos esquecendo de quem somos de verdade, do que queremos, o que amamos, do que sentimos saudades, de quem queremos ao nosso lado. E foi por esse motivo que decidi compartilhar um pouco das minhas ideias com vocês, para resgatar o que somos, e o que queremos ser. Ou pelo menos tentar fazer isso, né ? Deixa a Alma Respirar.