Bem vindo ao meu universo! Neste blog você encontrará textos de uma garota de 21 anos, Ana Teresa Araújo Viana. Alguns textos são reflexões sobre diversos assuntos, outros são apenas o resultado de alguma madrugada inspiradora. Sem mais delongas, Deixa a Alma Respirar!







sábado, 17 de setembro de 2011

Série "Uma Carta para você - Segunda Carta: Para alguém que eu ainda não conheci."


Imagino o que você está fazendo agora. Neste exato segundo. No que está pensando, para quê pretende prestar vestibular - se é que já não está na faculdade. Não sei. Imagino se gosta de comédias românticas tanto quanto eu. E tento ouvir o seu riso ao dizer que são histórias tão improváveis e tão incríveis ao mesmo tempo. Será que você diria isso? Sinto falta de saber sobre os seus sonhos, os seus medos, as suas alegrias, as suas dúvidas, as suas certezas. Sinto falta de saber a cor dos seus olhos; é até engraçado pensar assim. Sinto falta de conhecer as suas expressões, os seus jeitos, a curva da sua boca enquanto sorri. Suas palavras preferidas, seu sotaque. Sinto falta de ver você vir sorrindo, sempre sorrindo, com dois ingressos do show da sua banda preferida nas mãos. E de todas as nossas brincadeiras e piadas particulares, de nossos risos, de nossas fotografias e de seu abraço de urso. Da música linda que você vai me mostrar. "Sobra tanta falta", sabe? É só que às vezes tenho aquela sensação de que tudo irá valer a pena quando você chegar. E eu sei que você também está me esperando, e que um dia nossos caminhos irão se cruzar. A gente vai se reconhecer... e vai ser incrível. Eu sei. E você também.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

LIBERTAS QUAE SERA TAMEN


Em apoio à greve dos professores da rede pública do Estado de Minas Gerais.
**

Certamente, os cem dias de greve têm ensinado lições mais importantes do que as propostas nos milhares de dias letivos dos quais nossos estudantes já participaram ao longo da vida. Esta greve - que é histórica e, acima de tudo, justa e salutar, diga-se de passagem - traz inúmeros benefícios para toda a sociedade brasileira. Tenho absoluta certeza de que os protestos, a angústia e a luta dessa classe faz toda a diferença na formação de uma nova mentalidade que vem surgindo no Brasil. Mas que bom que já temos coragem de sair às ruas para reclamar sobre o ensino público esfacelado que nos é dado! Que bom que não mais ficamos apenas na habitual reclamação, "ai, como seria bom se o professor fosse melhor preparado, e se houvesse uma cadeira para que ele se sentasse e fizesse a chamada!". Que bom que finalmente o plano das idéias encontrou o plano concreto da realidade! Aplaudo de pé aqueles que fizeram esse encontro acontecer!
Essa greve mostra muito mais do que professores indignados... Mostra um povo brasileiro cansado de ser levado "no banho maria" pelo governo... Cansado de ser enganado com promessas eleitoreiras. Mostra um povo que finalmente descobriu o poder que tem. É o povo clamando pelos seus direitos! É o povo que paga imposto e quer ver pra onde vai esse dinheiro! É um povo que tem coragem de mostrar a cara, bater no peito e dizer sem hesitar: Dai a Deus o que é de Deus, e a César o que é de César! Eu quero o que é meu, do meu direito eu não abro mão!
E então o povo começa a se questionar. E então a maravilha se completa. Se há dinheiro para viagens fabulosas, contas milionárias, mensalão, mensalinho e seus variantes, se há dinheiro para mansões ilegais e toda espécie de corrupção diariamente anunciada nos meios de comunicação, se há dinheiro suficiente para bancar toda essa baixaria, por quê não há dinheiro para pagar o trabalhador?! Esse dinheiro agora tem que aparecer...
Porque o Brasil não tem fome só de Matemática, Português, História e Geografia. Nem só de cultura. O Brasil também é um faminto de justiça, de honestidade e transparência. E, particularmente, acredito que toda a Física, o Português, a Geografia ensinados servirão de NADA se o povo não aprender o básico do básico... que é conhecer os seus direitos, lutar por eles. Aí sim, quando buscarmos nossos direitos, reclamarmos por eles, veremos a mudança que tanto sonhamos... Porque um povo esclarecido e consciente é mais difícil de ser enganado! É a luta da sociedade pelo que é seu de direito que fará com que o dinheiro dos impostos seja melhor empregado. E então passará a haver dinheiro para pagar um salário digno a qualquer trabalhador... haverá um sistema educacional do qual a gente possa se orgulhar. E então, finalmente, nossos alunos aprenderão DE VERDADE Português, Matemática... porque aprenderam antes o fundamental: CIDADANIA!
Nada mais apropriado que essa revolução comece justamente pelos professores... eles, os responsáveis pelo ensino e formação de nossas futuras gerações, tem toda a moral para dar esse exemplo.
A vocês, queridos formadores do Brasil que seremos, meu apoio e minha admiração.
A vocês, queridos MESTRES, meu respeito.
Obrigada por abrirem nossas mentes para o caminho do respeito a nós mesmos, ao nosso país e ao que somos. Obrigada por nos mostrarem que não devemos aceitar a injustiça e a mentira; por nos dizer que não, não devemos aceitar um salário injusto, que desvaloriza o nosso trabalho.
E, principalmente, obrigada por nos ensinar a valorizar a nós mesmos.
**

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Grand' Hotel


Às vezes é preciso abrir mão do imediatismo, do agora, do aqui, pra plantar o amanhã, pra cuidar do que pode ser. Porque às vezes sinto necessidade de apostar no futuro e então me vem um desejo de cuidar melhor do hoje, do que está nascendo... Assim como o jardineiro que abre mão da primeira sombra e poda a árvore porque sabe que ela precisa disso para crescer forte e tomar a forma certa. E eu me lembro que a pressa é inimiga da perfeição... e descubro que é preciso esperar. É necessário ser paciente; é necessário resistir à tentação do imediatismo tantas vezes! Percebo que as coisas verdadeiras e belas levam tempo para serem construídas. Ninguém ergue um castelo de um dia para o outro. Não! É preciso que haja tempo de espera... tempo de plantar, tempo de colher. O tempo é o maestro do magnífico. É preciso que haja tempo suficiente. É preciso que haja calma. E, acima de tudo, paciência. É preciso paciência para que a possibilidade não seja sufocada pela ansiedade. É preciso paciência para que o melhor possa vir.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Um jeito novo de ver a vida.

E, por mais tristes e cinzentas que as coisas me pareçam hoje, vou resistir à tentação de transformar esses sentimentos friorentos em palavras. O mundo já anda tão cheio de pessimismo e inquietações, para quê dividir mais impressões sombrias? Ninguém precisa de mais lamentações, murmúrios, soluços... Ninguém quer isso. Meu objetivo ao escrever sempre foi abrir os corações, irrigar as almas, florir o mundo, pelo menos por um segundo. Pelo menos enquanto durar o texto, a palavra, a emoção. E é nisso que eu insisto: na existência de dias melhores... mesmo que hoje pareça difícil crer nessa verdade. Escrevo que sim, a vida é bela, o mundo conspira para a nossa felicidade, o sol ainda vai brilhar lá longe no horizonte, por mais nublado que o céu esteja. Essas metáforas bobas e todas as outras coisas que lembrem um final feliz. Escrevo sobre as promessas do arco-íris logo após um temporal, sobre a benção que os momentos difíceis podem representar, se forem enfrentados com sensatez e equilíbrio. Escrevo sobre a esperança, sobre o renascer dos dias, sobre a luta cotidiana que é a busca pela felicidade, escrevo que ainda há maravilhas e pessoas maravilhosas sobre a nossa Terra... e que sim, ainda é possível. Ainda tem jeito. Ainda vai dar certo... Escrevo sobre tudo isso sem medo de ser hipócrita. Não tenho medo que soe falso, porque não soará. Mesmo porque o sentido da vida é mesmo esse recomeço, é essa busca incessante pela paz interior, pelo equilíbrio, pelo ideal... Mesmo que as coisas não pareçam bem hoje, agora, não significa que elas sejam ruins. Talvez apenas estejam ruins, e, creia, esse é um estado totalmente transitório, e não a confirmação de um pesadelo ou algo assim. A vida é cheia de altos e baixos, de caminhos sinuosos e tortuosos, mas que quase sempre têm um final feliz. Porque o final dessa história é a gente quem decide... as flores estão escondidas por aí; cabe a nós encontrá-las. A vida não é uma constante de derrotas, de fracassos, de tristezas, de infelicidade... a vida é algo mágico, é uma oportunidade ambulante, e tudo o que hoje é, amanhã pode não ser, ou tornar a ser, quem sabe. É um mistério divino. E eu sei que isso pode parecer um tanto quanto repetitivo, mas, acredite, é uma verdade. Mesmo que hoje não seja essa a realidade do meu espírito, mesmo que hoje eu não carregue comigo toda essa certeza de dias melhores, eles ainda virão. Escrevo isso com uma certeza desconcertante. Hoje pode até parecer mentira, mas sei que não se trata de dizer mentiras, e sim de dizer verdades futuras. Porque o bem é maior, o poder de Deus é maior, e sempre prevalece no final. Não posso garantir que seja hoje, amanhã, ou depois. Não posso garantir quando e onde com exatidão. Mas dias melhores estão vindo, e ainda vão me encontrar.
Porque a vida é de uma sensibilidade desconcertante.